Para quem vai sobrar o ônus do acordo de Temer?

Sonia Racy

30 de maio de 2018 | 01h00

CONGRESSO

CONGRESSO. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Congressistas temem que pode sobrar para eles o ônus do acordo que Temer fechou com caminhoneiros na tentativa de encerar a greve, segundo fontes ouvidas pela coluna.

A medida custará R$ 10 bilhões e, fora o uso de crédito extraordinário, qualquer possibilidade de levantar verba para pagar a conta – realocar recursos, criar impostos ou vender estatais – terá que ser aprovado por parlamentares, na forma de lei.

Existem, no Senado, aliás, duas correntes para solucionar a crise dos caminhoneiros. Os defensores da redução da carga tributária sobre os combustíveis, como Randolfe Rodrigues, Ricardo Ferraço, Cassio Cunha Lima e José Reguffe.

E os que insistem em subsídios – pagos não pelo governo, como está se delineando, mas sim pela estatal. São os senadores do PT, que, pelo jeito, gostaram da política implantada por Dilma.

É de conhecimento público que só a implantação de preços irreais para combustíveis, nos anos Dilma, provocou rombo de R$ 60 bilhões nas contas da Petrobrás.

Já a greve dos caminhoneiros gerou, em sete dias, desvalorização de R$ 120 bilhões. E ontem mesmo, houve reversão dessa queda ante a certeza dos mercados que Pedro Parente não abandonará o barco.

As ações subiram 14,13% e a bolsa somente 0,95%.

Leia mais notas da coluna:

Petroleiros do litoral paulista aprovaram greve por tempo indeterminado

Maior produtora de ovos do Brasil teve que sacrificar 100 mil galinhas

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: