Para Marta, Damares quer ‘volta da mulher às cavernas’

Sonia Racy

09 de dezembro de 2018 | 01h00

SENADORA MARTA SUPLICY. FOTO ALEX SILVA/ESTADÃO

Para Marta Suplicy, a escolha, por Bolsonaro, de Damares Alves para ministra das Mulheres, da Família e dos Direitos Humanos, mais parece “o coroamento de uma série de terrores”.

Damares vem se notabilizando, há tempos, por declarações polêmicas. “Ela praticamente defende a volta da mulher para as cavernas,” ironiza a senadora.

‘Ela distorce realidades
indígenas’

Quais cavernas? “Ela distorce realidades indígenas, atua para impedir, no Legislativo, a aprovação de projetos em prol da Cidadania LGBT e persegue curadores de arte em uma suposta cruzada contra a pedofilia.”

Marta lembra duas frases pouco políticas da nova ministra: “A gravidez é um problema que dura só nove meses” e “não é a política que vai mudar esta Nação, é a Igreja”.

Leia mais notas da coluna:
Se não entrar pedra no caminho, Meirelles será secretário da Fazenda de Doria
Indígenas pedem que Funai fique no Ministério da Justiça

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: