Para José Álvaro Moisés, não parecem existir alternativas consistentes a Lula e Bolsonaro

Para José Álvaro Moisés, não parecem existir alternativas consistentes a Lula e Bolsonaro

Direto da Fonte

21 de janeiro de 2022 | 02h35

José Alvaro Moisés. Foto: Iara Morselli/Estadão

Atento às incertezas da terceira via, que “parece não oferecer à sociedade alternativas consistentes a Lula e Bolsonaro”, o cientista político José Álvaro Moisés aponta à coluna uma outra via que considera adequada: a sociedade civil deveria “assumir mais protagonismo.

Definir um elenco mínimo de projetos que qualquer eleito devia adotar como prioridade. E cobrar já na campanha, dos candidatos – leia-se, Lula e Bolsonaro –, planos e prazos, comprometê-los com essas metas”.

Fazer parte

Essa lista começaria com o que Moisés considera “a grande questão” nacional: “Vamos para 200 anos de independência e e não resolvemos ainda o problema da escravidão”. Uma das coisas que “nos definem como país”, emendou, é que na saúde, na educação, na cultura e onde mais for, “tem sempre uma parte do Brasil que não faz parte dele”.

Toma lá, dá cá

O Prêmio de Literatura em Língua Portuguesa Oceanos foi autorizado a captar R$ 3,2 milhões via Lei Rouanet para a edição deste ano. Como contrapartida, prometem encontros com os semifinalistas e vencedores do prêmio, debates virtuais e podcast de leitura de trechos dos livros contemplados.

Hard times

Pra quem acha que só no Brasil as coisas andam esquisitas: mais de 50 jornalistas foram detidos e eventualmente presos no ano de 2021… nos Estados Unidos. O que a ONG Repórteres Sem Fronteiras atribui a um “inédito padrão” de interpretação da Constituição do país.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.