Para Covas, ‘trabalho preventivo’ evitou mal maior à cidade

Para Covas, ‘trabalho preventivo’ evitou mal maior à cidade

Sonia Racy

11 de fevereiro de 2020 | 00h45

CHUVA NA MARGINAL DO TIETÊ. FOTO NILTON FUKUDA / ESTADÃO

 

Bruno Covas começou a receber notícias sobre as chuvas, ontem, por volta das 6h – e correu para a Prefeitura, onde montou um “gabinete de crise”. No fim da tarde, postou vídeo no Instagram sobre o que fez, repetindo três vezes a expressão “trabalho preventivo”, garantindo que ele evitou “prejuízo maior”.

O nome do prefeito ficou entre os temas mais comentados do dia no Twitter, à frente da hashtag #chuvasSP. Ele não usava a rede desde outubro do ano passado.

Doria falou das
chuvas em Dubai

Em Dubai, de onde só retorna quinta-feira, Doria interrompeu a programação de negócios para falar também sobre… chuvas.

Sem ideologia

Janaína Paschoal quer que a Assembleia organize um debate entre os pré-candidatos a prefeito de SP – e tratará do tema, hoje, com o presidente da Casa, Cauê Macris. Pensa numa carta-convite dirigida a todos os partidos.

E aproveitou o clima do dia, ontem, para dizer que “esse debate de esquerda e direita não faz o menor sentido neste momento” e que é preciso debater “chuvas, caos, saneamento, lixo, fios, creche”.

Quem indica

É hoje a primeira reunião dos novos pareceristas da Comissão de Análise de Projetos do ProAC Expresso ICMS. São dez servidores e dez representantes da sociedade civil, escolhidos entre 88 indicados por 55 entidades culturais.

Segundo o secretário Sá Leitão, o processo de escolha dos pareceristas foi alterado e novas “exigências de experiência, formação e conhecimento” foram instituídas.

Pelas crianças

Depois de lançar manifesto contra a consulta pública para flexibilizar a vedação da publicidade infantil, o Instituto Alana prepara um parecer que será enviado à Senacom. Segundo Pedro Hartung, coordenador do programa Criança e Consumo, do instituto, a decisão de flexibilizar a lei não leva em conta uma visão histórica acerca do tema no Brasil.

O ministro Moro, diz ele, “relaciona o fim dos programas infantis na TV à falta de publicidade para crianças, mas isso não é verdade. O que mudou foi o modelo de televisão”. Hartung sugere que se fiscalize a lei dentro do digital, onde “ influenciadores infantis ainda fazem propaganda de forma velada”.

Redes já previam
Oscar a Parasita

Para os analistas da plataforma Socialbakers, a vitória de Parasita no Oscar 2020 não surpreendeu. O drama sul-coreano já liderava as interações do Twitter com mais de 10 mil menções, seguido de 1917. Mas na disputa geral Coringa esteve à frente, desde 1º de janeiro, com um total 2,3 milhões de interações.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.