Para a história

Sonia Racy

17 de novembro de 2013 | 01h04

Às vésperas da audiência pública no STF sobre a publicação de biografias não autorizadas, grupo de 200 intelectuais e acadêmicos – entre os quais os imortais Alfredo Bosi e José Murilo de Carvalho– elaborou o manifesto Liberdade para as biografias.

Liderados por Marcelo Rede, professor de História Antiga da USP, defendem que “a vida dos indivíduos é parte da história. As biografias são, portanto, formas de se entender a realidade e não podem ser objeto de nenhum limite ou interdição. Castrar a biografia significa ferir mortalmente a compreensão das sociedades”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: