Papéis trocados?

Redação

29 de outubro de 2009 | 07h52

A iniciativa de Armando Monteiro, da CNI, de abrir representação em São Paulo, foi bem recebida por Serra, pelo que se pode deduzir da inauguração do escritório da Confederação, terça à noite. O governador abriu um raro sorriso ao ouvir Monteiro dizer que “a CNI, vindo a São Paulo, fica mais forte no Brasil.”

Quem parecia desconfortável era Paulo Skaf, o new- político-presidente da Fiesp-PSB. Industriais presentes? Pouquíssimos, a não ser alguns presidentes de federações estaduais, como Robson Andrade, da Fiemg e próximo presidente da CNI. Acompanhando Serra estavam os secretários Guilherme Afif e Geraldo Alckmin.

Para refrescar a memória: historicamente, o foco da CNI sempre foi Brasília, com suas repercussões políticas, enquanto a Fiesp se concentrava nas econômicas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.