Pandemia e ‘facilidades’ impulsionam separações

Pandemia e ‘facilidades’ impulsionam separações

Direto da Fonte

19 de junho de 2022 | 01h00

Sérgio Magalhães. Foto: Arquivo pessoal

Sérgio Magalhães. Foto: Arquivo pessoal

O ano de 2021 atingiu o recorde de 80.573 divórcios no Brasil. Fato relacionado ao isolamento social imposto pela pandemia, mas também pelas facilidades na forma que as separações são feitas hoje em dia, como os divórcios em cartório de notas, chamados de extrajudiciais, que tem as vantagens de agilidade, prazo e preço.

Para o advogado Sergio Magalhães, que conta com mais de 50 anos de carreira no ramo do direito de família, a desburocratização do processo de divórcio contribuiu para esse recorde. “Hoje grande parte dos divórcios são feitos em cartório. Quando não há filhos menores já vai direto no tabelião, leva um advogado junto e faz o divórcio, já sai divorciado ali do cartório”, explica.

Magalhães já perdeu a conta de quantos divórcios ajudou a conduzir ao longo da carreira. “Antigamente, principalmente as mulheres vinham ao meu escritório e ficavam mudas, choravam, oferecia caixas de papel, hoje não, já chegam sabendo tudo que querem, estão bem mais esclarecidas”, conta.

“Esse esclarecimento tem muito a ver com as redes sociais, que aproximam as pessoas de mundos que não são os seus, como o jurídico”, diz Sergio, que começou a usar suas redes para descomplicar temas que até então parecem espinhosos para a maioria.

“Gosto de me atualizar, estar na frente. Tudo acontece nas redes, então achei um espaço para dividir minha experiência e me aproximar dos mais jovens”, comenta ele, que tem atendido casais na faixa dos 35, 40 anos em seu escritório.
Uma curiosidade interessante que o advogado tem observado é que os divórcios nas relações homoafetivas geram muito menos brigas do que nas relações heterossexuais. “Observo que nas relações homoafetivas é sempre o nós, nós temos um filhinho, nós estamos trabalhando, nós construímos, nós fizemos, eles estão sempre no plural. Já nos casais heteros sinto uma certa competição, uma vontade de um ser melhor que o outro”, observa o advogado.

Com tantas mudanças nas relações afetivas nos últimos tempos, hoje já é possível uma pessoa se casar com mais de um parceiro ao mesmo tempo. “Simultaneamente, não uma vez atrás da outra. Já tem jurisprudência, principalmente de tribunal, não é Lei ainda, que aceitou o casamento de dois homens com uma mulher ou de duas mulheres com um homem, ou seja, um casamento tríplice”./SOFIA PATSCH

A importância da biblioteca na formação do artista gráfico Marcello Grassmann

Obras e livros raros – que foram referência na produção do artista Marcello Grassmann – serão alguns dos objetos expostos na mostra Marcello e a Biblioteca – formação de um jovem artista, na Biblioteca Mário de Andrade. A expo pretende revelar a importância da biblioteca na formação do artista gráfico e de seus contemporâneos. Na abertura da exposição, haverá o lançamento do Livro dos Afetos, primeira publicação do Núcleo de Estudos Marcello Grassmann. A partir do dia 30

Bloco de Notas

CELULAR. O uso do celular como ferramenta política, principalmente para disseminar fake news, é um dos principais focos de discussão da jornalista Neuza Sanches no livro Celular: democrático ou autoritário? (Ed. Contexto). Lançamento dia 22, na FAAP, com a presença do ex-ministro da Justiça Nelson Jobim.

NO EDIFÍCIO. Em comemoração aos 70 anos da Câmara Árabe-Brasileira, uma obra assinada pelo artista Kléber Pagú irá ocupar o Edifício Garagem Automática Senador, que possui 70 metro de altura e está na região da Rua 25 de Março. No início de julho.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.