Pacote Obama e o teste do stress

Redação

25 de março de 2009 | 06h00

Apesar do otimismo inicial dos mercados com o novo pacote americano, que prevê ajuda de até US$ 1 trilhão aos bancos, muita gente de peso no setor – tanto no Brasil como lá fora – tem sérias dúvidas. E acredita que todo esse exercício de Barack Obama para evitar uma nacionalização mais explícita dos bancos não terá grande efeito.

Primeiro, porque não interessa aos bancos vender uma parte de seus papéis podres – os incluídos no programa de empréstimos e não securitizados. É que eles colocaram esses papéis em seus balanços com deságio mínimo. Estima-se que, para esta classe de ativos tóxicos, a provisão feita foi de 4% a 5%. Uma irrealidade. Se tiverem que admitir o preço real, terão de provisionar muuuito mais . E para isso, terão de recorrer ao Tesouro americano em escala ainda maior.

Leia outras notas no blog da coluna Direto da Fonte

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.