Oito ricos têm tanto quanto a metade mais pobre do planeta, diz a Oxfam em Davos

Sonia Racy

15 Janeiro 2017 | 22h00

Em nome de ONGs de 90 países, a Oxfam entregará nesta segunda-feira de manhã, na abertura do Forum Econômico Mundial, em Davos, seu estudo Uma Economia Humana para os 99% — no qual aponta que a diferença entre ricos e pobres aumenta num ritmo maior que o previsto. São 53 páginas, montadas a partir de dados do Crédit Suisse World Report 2016.  

Nele se destaca, numa longa lista de contrastes entre milionários e pobres, que os oito homens mais ricos do planeta têm o equivalente ao que possui metade mais pobre da população – cerca de 3,6 bilhões de pessoas. Outro dado é que, nos últimas três décadas, a renda dos 10% mas pobres subiu cerca de 65 dólares e a do 1% mas rico aumentou 11.800 dólares — 182 vezes mais.

A Oxfam lembra que “centenas de milhões de pessoas foram tiradas da pobreza, nas últimas décadas”, mas “uma em cada nove pessoas ainda vai dormir com fome”. Ao concluir, o levantamento alerta que “precisamos, juntos, criar um novo senso comum, dar uma reviravolta e desenhar uma economia cujo objetivo principal seja o de beneficiar os 99%”.

Suas sugestões incluem medidas como “modelos de empresas com melhor distribuição de benefícios, tributação justa à extrema riqueza”, cooperação e “governos que trabalhem para os outros 99%” da população.

Oito ricos 2 

Na convocação para o encontro, que começa de fato amanhã e vai até sexta-feira, os organizadores em Davos afirmam que “a emergência de um mundo multipolar não pode tornar-se uma desculpa para indecisão ou inação”, e por isso “é imperativo que líderes respondam coletivamente com ações que melhorem a situação do mundo”. Não por Acaso, o tema do encontro deste ano é Responsive and Responsible Leadership (Liderança Responsável e Acolhedora).

No mundo visto dessa outra ponta, destacado na convocação do Forum, no site da organização, “a quarta Revolução Industrial continua a enfatizar a convergência de tecnologias que confundem as linhas entre os sistemas físico, digital e biológico”.