Otimistas ou “irrealistas”?

Redação

09 de outubro de 2008 | 08h55

Na reunião fechada, segunda-feira à noite, no Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial, em torno de Luciano Coutinho, do BNDES, e do economista Yoshiaki Nakano, entre outros, o tom não foi assim tão pessimista.

Não, eles não vivem em Marte ou estão ignorando o novo Katrina americano. Acontece que os empresários integrantes do Iedi – que é capitaneado por Josué Gomes da Silva – acham que o governo brasileiro está sabendo lidar com a crise, que o Brasil está em boa fase, que a economia brasileira ainda é fechada e que o estreitamento de crédito por aqui é momentâneo. “Nos anos 30, durante a grande depressão pós-crash de 29, o Brasil manteve crescimento positivo até 1932. Por que não vamos repetir o feito?”, pergunta um deles.

Tomara.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: