Os bastidores das audições para o musical sobre a vida de Alcione

Os bastidores das audições para o musical sobre a vida de Alcione

Marcela Paes

11 de junho de 2022 | 01h30

Gabby Moura e Igor Galldino. Foto: Taba Bendicto/Estadão

“Eu sou chique, sou da Globo”, diz rindo a cantora Gabby Moura. Ela e Igor Galldino são alguns dos 300 artistas que tentam a sorte na seleção do musical Marrom, sobre a vida de Alcione. Os dois passaram pela peneira de quase 2600 inscritos e trocam figurinhas sobre como se saíram em seus testes. “Eu tremi na base quando vi o Miguel Falabella lá. Aí me enrolei no inglês e não consegui cantar a segunda música direito”, diz Gabby. Ela conta que é de fato “da Globo”, ou pelo menos já passou por lá quando participou do The Voice e foi selecionada para o time de Claudia Leitte. Mesmo com a experiência na televisão, Gabby estava em sua primeira audição para um musical.

O mesmo valia para Galldino. O jovem chamava a atenção no casting por ter ido paramentado da cabeça aos pés como Alcione. A tarefa não foi difícil para ele, que se apresenta em bares do interior de SP fazendo covers da cantora há três anos. “Eu precisava chegar quebrando tudo. Queria muito a oportunidade de ter um papel porque eu sou muito fã da Alcione, até faço parte de um fã clube dela”, diz Galldino.

A seleção não contava só com novatos. As atrizes Letícia Soares e Lilian Valeska são veteranas de musicais. Leticia  fez 12 e recentemente foi protagonista da encenação de A Cor Púrpura e Lilian já interpretou Billie Holiday. As duas ficaram sabendo da ideia para o musical quando faziam a primeira temporada da série O Coro, de Falabella. “Eles vão ter trabalho para escolher numa audição assim com tanta gente preta, tanta qualidade”, diz Letícia.

O idealizador do musical, Jô Santana, conta que conversou com Alcione pela primeira vez sobre a ideia de fazer um espetáculo sobre a trajetória dela em 2017 e logo chamou Miguel Falabella para dirigir e escrever o texto. “A Alcione é como uma irmã para ele e a vida dela daria até mais que um musical”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.