Os bancos e o buraco-verão

Redação

25 Setembro 2008 | 08h51

Além da crise mundial, há outro assunto preocupando a Febraban: a intensificação de ações contra o sistema financeiro na busca de uma compensação pelo Plano Verão. Os números e o volume impressionam. Mas há uma explicação: no fim do ano, prescreve a chance que as pessoas têm de buscar essa correção. “O ressarcimento está levando a um desbalanceamento econômico que não existia”, ressalta Fábio Barbosa, presidente da entidade.

Por que? “É certo que as pessoas não receberam correção monetária, mas se esquecem que tampouco os bancos receberam correção dos seus ativos. Isto é, não recebemos e não pagamos”, explica. A Justiça, por exemplo, não está pedindo aos mutuários que paguem agora a correção da prestação da casa própria. O fato é que, com a Justiça mexendo nessa equação, a conta não fecha. “Os bancos não ficaram com este ganho.”

Para Barbosa, “as pessoas que buscam essa compensação são as mesmas que se beneficiaram da não correção de várias coisas, como aluguel e tudo mais”. A Febraban não concorda com a idéia de “vou pegar a parte que me prejudicou e ignorar a parte que me beneficiou”.

Isso, a seu ver, não vai dar certo. Todos acabaram pagando pelo benefício que hoje alguns buscam.