Orgulho nacional

Sonia Racy

07 de fevereiro de 2012 | 23h01

Depois de temporada pelo Rio, os murais Guerra e Paz, feitos para a ONU por Cândido Portinari, chegaram à Pauliceia. O evento de abertura da exposição dos painéis – que também conta com mostra do pintor – levou centenas de pessoas ao Memorial da América Latina, anteontem.

A noite contou com discurso emocionado do responsável pelo Projeto Portinari, João Candido, filho do artista. Além das presenças de Andrea Matarazzo, secretário de Cultura do Estado, e Tereza Campello, ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Ausência mais notada? Ana de Hollanda, ministra da Cultura.

Segundo João Cândido, a missão do Projeto Portinari é “levar a obra desse grande pintor aos quatro cantos do Brasil”. A Tereza Campello coube agradecer a família Portinari por ceder imagens do artista ao Plano Brasil Sem Miséria.

Depois das falas institucionais e de diversos agradecimentos – muitos direcionados a Lula e José Alencar (que apoiaram o projeto de restauro dos murais) –, seguiu-se espetáculo com participação de Milton Nascimento, Hamilton de Hollanda, Beatriz Segall e Ana Botafogo. /MARILIA NEUSTEIN

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: