Órgão Especial do TJ-SP, em disputas sobre quarentena, decidiu mais a favor do Estado, mostra anuário

Sonia Racy

08 de abril de 2021 | 00h50

Vacina contra covid-19. Foto: REUTERS/Dado Ruvic/Illustration

A epidemia dominou as discussões nas altas cortes do TJ-SP, tema que foi o terceiro mais julgado pelo Órgão Especial em 2020. Em 145 processos contra fechamentos de estabelecimentos na quarentena, a Justiça decidiu mais a favor do Estado, como mostra balanço do Anuário da Justiça São Paulo.

No caso de restaurantes à beira de rodovias, a maioria dos desembargadores votou pela reabertura, por considerar um serviço essencial. Concessionárias e clubes de golfe tiveram os pedidos negados.

Balança 2

Para marcar o lançamento do ranking, os ministros Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli, Alexandre de Moraes e Geraldo Pinheiro Franco, presidente do TJ-SP debatem A Responsabilidade do Judiciário nas Políticas de Enfrentamento da Covid, na TV ConJur, amanhã.

Redentor

Morto em decorrência da covid na semana passada, Cláudio Petraglia desenvolvia um musical sobre a construção do Cristo Redentor. O maestro, ator e diretor da Band deixou partitura pronta, maquetes de cenário e estudos sobre figurinos.

Tudo está agora com o filho Marcelo, que também é compositor e pesquisador musical.

Olha a onda

E, para enfrentar as ressacas cariocas, a Orla Rio vai participar de um estudo internacional, da faculdade holandesa Hoogeschool Van Rotterdam.

Bilhete

A Cinemateca Brasileira segue patinando. A instituição teria tentado trazer Olga Futemma de volta para seu quadro de funcionários sem sucesso, segundo relatos de fontes da coluna.
A pesquisadora passou 36 anos na Cinemateca e saiu em agosto do ano passado.

Expatriados

Lira Neto, Luana Piovani e Yamandu Costa são alguns convidados do podcast Se Calhar, de Paulo Markun.

Com 20 minutos de duração, o programa falará sobre a vida de brasileiros em Portugal. O país, aliás, passou o Estados Unidos no ranking de mais buscado por moradores do Brasil que querem trabalhar no exterior.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.