Onde a crise não vai bater

Redação

27 de novembro de 2008 | 06h00

A crise financeira vai bater forte na arrecadação do governo paulista, mas não mata projetos importantes bancados pelo Banco Mundial, BID e BNDES. Estes recursos já estão no cofre, assegura o vice-governador Alberto Goldman.

Continua de pé, por exemplo, a criação do “alcoolduto” que ligará Paulínia ao porto de Santos. Também está mantido o investimento de R$ 150 milhões no Laboratório de Nanotecnologia do IPT. De quebra, o instituto vai ser reestruturado, com nova divisão de suas várias unidades.

Um terceiro item do pacote é um grande centro de exposição a ser montado em Pirituba, junto à rodovia dos Bandeirantes, inspirado no de Milão. Terá 5 milhões de metros quadrados. A licitação será aberta em breve.

Detalhe: nessas contas nem entrou, ainda, o dinheiro que o governo Serra receberá pela venda da Nossa Caixa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.