OMC não é a Petrobrás

Redação

27 de maio de 2009 | 08h10

O governo brasileiro imaginou que indicar Ellen Gracie para a OMC seria o mesmo que o PMDB indicar alguém para a Petrobrás. “Aprendeu, de novo, e com um episódio público, que lá fora é diferente”, compara o ex-ministro Rubens Ricupero. “Algum dia teremos de aprender a ser sérios e respeitar as regras”, lamenta.

Com a experiência de quem já presidiu o conselho do GATT – que deu lugar à OMC – e foi secretário-geral da Unctad, Ricupero explica: aquele posto é complicado, lida-se a toda hora com pendências internacionais de bilhões de dólares. “Sem nenhuma experiência na área, ela não tinha chance.”

Ricupero acha que a responsabilidade direta é de Lula: “O Celso Amorim entende bem esse universo. Por ele, acho que isso não ocorreria’.

Veja também:
mais imagensYves Saint Laurent tem exposição no Rio
mais imagensDeca promove coquetel durante a Casa Cor 2009, no Jockey Club.
documentoOutras notas no blog da coluna Direto da Fonte

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.