Olhos nos olhos

Sonia Racy

09 de setembro de 2011 | 23h09

O Fórum Criminal da Barra Funda foi palco, semana passada, da chamada Justiça Restaurativa. Ainda sem previsão na lei brasileira, mas comum na Nova Zelândia e no Canadá, a abordagem inclui, por exemplo, enfrentamento entre vítima e criminoso.

Com concordância das duas partes, o jovem que tentou roubar um salão de beleza pediu perdão às cabeleireiras. Chorou e foi abraçado por elas. Em audiências comuns, réu e vítimas nem se cruzam.

“Foi a primeira vez que isso aconteceu no fórum por motivo de roubo. Saímos leves da audiência”, contou Roberto Livianu, promotor que propôs a iniciativa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: