OAB premia advogados que contaram o massacre do Carandiru

Sonia Racy

19 Novembro 2016 | 17h44

Dois advogados que entraram primeiro no Carandiru, logo após o célebre massacre de outubro de 1992, e trouxeram a público tudo o que viram, receberão homenagem especial da OAB paulista nesta segunda-feira, 21. João Benedicto Azevedo Marques e Ricardo Carrara Neto (este, in memoriam) receberão o prêmio Franz Holzwarth de Direitos Humanos.

O modo como vasculharam e registraram detalhadamente as cenas dos 111 presos mortos na penitenciária constituiu o passo inicial das investigações que levaram à denúncia contra 77 policiais pelo Ministério Público estadual. O relatório foi também a base do livro ‘História de um Massacre’, escrito por Marques e Marcelo Lavenère, da OAB federal.