Nomeações para novo TRF em Minas não devem beneficiar Bolsonaro

Nomeações para novo TRF em Minas não devem beneficiar Bolsonaro

Sonia Racy

11 de janeiro de 2022 | 02h00

Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, em Brasília. Foto: OAB

Com a criação, dias atrás, da PGR da 6.ª Região – que cuidará dos processos do novo Tribunal Regional Federal em Minas Gerais (o TRF 6) – caiu no colo do presidente Bolsonaro a “tarefa” de preencher, até junho, 18 novas vagas de desembargadores. Não falta quem veja, aí, a chance de ele nomear “gente sua” e assim se fortalecer ante o Judiciário.

Não é bem assim, avisa à coluna um experiente analista do dia a dia do Judiciário. Na prática, três dessas vagas (o chamado quinto) são indicadas pela OAB e pelo MP Federal. As demais, por juízes de carreira na Justiça Federal, sempre atendidos os critérios de antiguidade e merecimento.

A OAB é uma notória adversária do presidente e certamente não incluirá “bolsonaristas” na lista sêxtupla que levará ao STJ, da qual sai a tríplice para escolha final do presidente.

Quanto aos juízes federais, o preenchimento começa por desembargadores de outros tribunais que estejam interessados em se transferir para Belo Horizonte. E o STJ pode, se quiser, montar lista em que os critérios de antiguidade – inescapável – e de merecimento determinem a escolha, reduzindo o espaço do presidente.

Trocando figurinha

Sergio Moro tem encontro hoje com Marcos Cintra em Brasília. O ex-secretário da Receita deverá oferecer contribuições à campanha do ex-juiz.

A disputa pelo apoio do União Brasil está alta. Além de Moro, o partido (fusão de PSL com DEM) também conversa com o MDB e com o PSDB.

Ano novo

Uma série baseada no longa De Menor, de sua filha Caru, e o projeto Mulheres Artistas – sobre artistas clássicas do século XIX – estão entre os projetos de Tata Amaral para este ano. “Também estamos procurando parcerias para cinco séries televisivas”, diz a cineasta.

 Para todos

Silvana Cambiaghi e Cid Torquato vão cuidar do projeto de acessibilidade do novo Pacaembu. Ela é arquiteta e preside a Comissão Permanente de Acessibilidade. Ele é CEO do Icom Libras e foi secretário da Pessoa com Deficiência de SP.

 Disputa

A Justiça já arquivou o caso, mas o advogado dos filhos de Cid Moreira, Angelo Carbone, está pedindo a reabertura. Rodrigo e Roger Moreira querem a curatela do pai que atualmente é de Fátima Sampaio, mulher do apresentador há vários anos.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.