O Rei, o cão e as devassas

Sonia Racy

08 de março de 2011 | 23h00

Aécio Neves foi surpreendido com convite de última hora anteontem. Quando foi à concentração da Beija-Flor desejar sorte a Roberto Carlos, tema do enredo, foi intimado a desfilar. Disse não, mas prometeu ficar aplaudindo do alto do camarote da Devassa, o que fez. “Pouca gente me emociona. O Rei é uma delas. Já beijei muuuuito às custas dele. Devo muito a ele”, ri.

José Mariano Beltrame estava no camarote concorrente, o da Brahma. O secretário de Segurança Pública do Rio foi com a mulher, que passou a noite puxando-lhe o braço para evitar que ele se enroscasse em conversas. Numa brecha, comentou sobre paz na cidade: “Agora está tudo bem, graças a Deus. Até agora não tivemos problemas”.

Lea T., estrela da noite na Brahma, chegou direto do desfile da Givenchy, em Paris, acompanhada de dez seguranças e… seu cachorro, transexual como ela. Sim, o cão acabou de fazer mudança de sexo.

A Sandy disse que todo mundo tem um “lado devassa”. E qual é o do Xororó, pai da cantora? Com as bochechas coradas, responde: “Esse lado fica guardado só para quem a gente ama”.

E por falar em devassidão, meninas nos blocos de rua carregavam placas onde se lia: “Se a Sandy é devassa, imagina nós”.

/DÉBORA BERGAMASCO E MARÍLIA NEUSTEIN

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.