O recomeço de Alckmin

admin

24 de janeiro de 2009 | 06h00

Fontes ligadas a José Serra e a Geraldo Alckmin advertem: a chegada deste ao governo estadual não significa, automaticamente, que ele será o candidato do PSDB à sucessão, em 2010. O esquema do governador, garantem essas fontes, continua sendo o já anunciado – Aloysio Nunes Ferreira na cabeça, com Guilherme Afif e Orestes Quércia para o Senado.

Por que, então, Alckmin aceitou o convite? Porque não teve outra opção. Vindo de duas amargas derrotas no poderoso PSDB paulista, se recusasse ficaria mais desgastado no partido e lhe restaria enfurnar-se no PTB de Campos Machado.

Prático, o ex-governador prefere ser subordinado do rival, porém com dois anos sob holofotes, numa secretaria importante na qual Serra já despejou um bom dinheiro.

Em política, dois anos são uma eternidade. Ideal para quem precisa começar de novo.

Leia outras notas no blog da coluna Direto da Fonte

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.