O que tem na água deste País?

Sonia Racy

07 de março de 2011 | 23h01

Jude Law foi a maior aposta do camarote da Brahma deste ano. O ator inglês, escalado para o próximo filme de Fernando Meirelles, 360, cruzou o Atlântico para passar apenas uma noite no Brasil e, na bagagem, trouxe cinco amigos. Surgiu, sorriu, beijou a boca de Hebe e falou à coluna.

O que você acha das garotas brasileiras?

O que é isso? Vocês querem me meter em confusão?

Não, agora você está solteiro, então, pode falar tudo.

(Risos) Eu estava discutindo exatamente isso com meus amigos. O que tem na água deste País? São as mulheres mais lindas do mundo.

Como conheceu o diretor Fernando Meirelles?

Foi em uma festa na embaixada brasileira em Londres. Apesar de não conhecer muito bem o cinema brasileiro, achei maravilhosos os filmes que eu vi. O último foi com Alice Braga, minha amiga, mas não me lembro o nome (refere-se a Cidade Baixa, de Sérgio Machado).

Você pediu para se encontrar com o jogador Ronaldo no camarim. Como foi?

Uau, fiquei sem palavras. Sou um grande fã de futebol. Mas ele ficou me perguntando como é a vida em Londres. Ele quer se mudar para lá.

E sobre a Inglaterra? Você está satisfeito com as mudanças no Parlamento e a atual situação política do seu país?

A Inglaterra está ganhando uma nova roupagem. O governo, desde que foi eleito, não está fazendo exatamente o que disse que faria. Então não diria que é a melhor época para se viver lá. Mas é minha casa, então sempre manterei uma imagem positiva, especialmente porque meus filhos estão crescendo em Londres. Agora, confesso, não é, definitivamente, o melhor dos tempos da Inglaterra, inclusive comentei isso com Ronaldo.

Por quê?

Principalmente por causa da economia. Este problema causa muita apatia ou agressividade nas ruas.

Um casamento na família real está se aproximando. O que você acha da realeza?

Eu gosto da associação da família com a História. Isso é realmente interessante. Mas o casamento real? Para mim significa apenas mais um feriado.

/DÉBORA BERGAMASCO

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.