“O POVO QUER MUDANÇA”

Sonia Racy

28 de agosto de 2014 | 01h01

Logo após discursar no evento que comemorou os 100 anos do Palmeiras – anteontem, no Citibank Hall –, o são-paulino José Maria Marin, presidente da CBF, voltou para sua mesa e conversou com a coluna e mais dois amigos.

Presidente, viu a pesquisa do Ibope? Marina ganha de Dilma no segundo turno por nove pontos. E agora?
Olha, o que eu sei é que o povo quer mudança. E outra coisa: a tragédia, a questão emocional, é muito forte na América Latina. Veja o que aconteceu com Isabelita Perón, Cristina Kirchner, o Maduro. É o que está acontecendo com a Marina.

O senhor votará em quem?
No ex-presidente eu até votaria, mas na atual não dá. Eu quero o melhor para o Brasil. E mais: lembrem-se de que o candidato ainda pode ser substituído. Aposto que já tem uma romaria de políticos da base do governo no Instituto Lula, pedindo para ele voltar.

O tempo de TV da Marina é pequeno. Acha que isso pode ser um problema?
Vão mostrar imagens do Eduardo Campos, aqueles olhos verdes, muito jovem, com um futuro brilhante… acho que a Marina ainda vai crescer. Quanto ao fato de que a Dilma tem mais tempo, isso também pode ser um problema, porque muito tempo mal usado é pior do que pouco tempo.

Antes do Dunga, a CBF pensou em um nome estrangeiro para dirigir a seleção?
De jeito nenhum. O Brasil foi cinco vezes campeão com técnicos brasileiros.

E o Tite, que muitos gostariam de ver no comando?
Respeito muito, mas também não foi nem cogitado. Queríamos alguém com histórico vitorioso na seleção.

Mas e a derrota do Dunga na Copa de 2010?
Não dá para colocar na conta do Dunga. O próprio Julio Cesar (goleiro da seleção na Copa de 2010) assumiu a culpa no jogo contra a Holanda, que nos tirou do Mundial. E teve também a falha daquele outro rapaz (Felipe Melo), que eu nem gosto de falar o nome.
/DANIEL JAPIASSU