O jurista e o poeta

O jurista e o poeta

Redação

28 de abril de 2009 | 06h00

Se no STF o clima é tenso, no Superior Tribunal de Justiça os ares são de pura bossa-nova. O presidente da casa, Cesar Asfor Rocha, que já tem dez composições gravadas em um CD, finalizou nova letra, ainda à espera de melodia.

“No começo eu tinha receio de mostrar as poesias porque você se revela por inteiro. E também por medo das críticas”, disse Rocha à coluna. “Mas metade da poesia é de quem escreve. A outra metade é de quem lê“, afirmou o jurista-poeta.

Aqui vai um trecho da canção A Mesma Pessoa:

“Sou muito e sou pouco
Sou lúcido e louco
Sou soma e subtração.
Dividido, inteiro,
Sou completo, sou meio
Sou pressa e lentidão.
Sou chegada, sou partida
Sei da morte e sei da vida
Companhia e solidão.
Sou fúria e mansidão
Digo sim e digo não
Sou começo e sou fim.
Bicho que anda e voa
Sou a mesma pessoa
Guardada dentro de mim.”

Veja também:
mais imagens Brasileiros e franceses revelam o Brasil na exposição coletiva de fotografias À Procura de um Olhar
mais imagens Estreia em dose dupla no fim de semana: Happy Hour, com Juca de Oliveira, no Teatro Jaraguá, e Cachorro Manco Show, no Sesc Paulista
documentoOutras notas no blog da coluna Direto da Fonte

Tendências: