“O investimento em cultura gera resultados”, afirma produtor premiado em Cannes

“O investimento em cultura gera resultados”, afirma produtor premiado em Cannes

Sonia Racy

01 de junho de 2019 | 00h21

RODRIGO TEIXEIRA/ Foto: Denise Andrade

Com três filmes de sua produtora selecionados para o Festival de Cannes – dois deles premiados – Rodrigo Teixeira destaca uma das razões do sucesso alcançado: “Muito trabalho”. Isto posto, o produtor executivo da RT Features torce para que o setor da cultura, em fase de definições e mudanças, encontre maneira de dialogar com o governo.

O Brasil teve atuação surpreendente em Cannes?
Não acho surpreendente porque foi fruto de um trabalho que vem sendo feito há tempos. E quando há dois diretores da qualidade do Karin Aïnouz e do Kleber Mendonça no contexto somado a filmes desse calibre selecionados, isso comprova que o investimento em cultura possibilitou aprimoramento dos profissionais envolvidos. Os filmes geram esse resultado. A discussão agora é se o País pode manter isso na prática para que as leis de incentivo continuem existindo.

A RT Features tem se sobressaído em festivais internacionais? A que você atribui isso?
Estamos investindo nisso há oito anos e, com o passar do tempo, adquirimos experiência. Como? Frequentamos festivais, entendemos o que os curadores querem e procuramos fazer longas que tenham o perfil adequado. Conforme vamos conhecendo essa mecânica, fica mais fácil apresentar projetos que tenham chances de ser selecionados. Ganhar é outro passo. Esse ano fomos privilegiados não só com a seleção de três filmes, mas com a premiação de dois deles.

Acredita que o governo Bolsonaro pode recuar em cortes na área cultural?
Não é questão de recuar ou não. Temos é que dialogar com o governo e mostrar que o investimento que foi feito até agora gerou resultados. Conseguimos colocar o Brasil em mercados internacionais, valorizar nossa bandeira.

O que dizer ao jovem que quer entrar no mercado do cinema nacional?
O maior conselho que eu dou ao jovem que ser empreendedor de cinema é que empreender por aqui é difícil. Explico também que o audiovisual é uma atividade que requer estudo, aprimoramento, maturidade, linha de curadoria, evitar olhar para o terreno do vizinho e, principalmente, não desistir. A atividade te dá vários recados e muitos deles não são animadores. Por isso, é necessário olhar pra frente. /MARILIA NEUSTEIN

Tendências: