O equilibrista-mor

Redação

23 de setembro de 2008 | 08h07

Dúvida algo cruel sobre os efeitos do plano de US$ 700 bilhões montado pelos americanos para estancar a crise.

Se o Tesouro de George Bush pagar pouco pelos papéis podres que estão com os bancos, eles quebram. Se pagar muito, quem quebrará será os Estados Unidos, abatido por um gigantesco déficit público.

A implementação do plano, portanto, passa por tênue equação de equilíbrio, segundo o economista Alexandre Schwartsman, do Santander. “Complicado”, observa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.