O dia D da inflação

Redação

30 de junho de 2009 | 08h25

Se não houver novo adiamento, o Conselho Monetário Nacional define hoje se o Brasil deve ou não reduzir sua meta de inflação para 2011. A decisão não é ponto pacífico dentro do governo Lula, apesar de o País ter condição de reduzi-la pelo menos de 4,5% para 4,25%. “Deveriam diminuir a meta, mas não acredito que vão fazê-lo”, observou ontem o economista José Roberto Mendonça de Barros.

Uma variação, ainda que pequena, seria importante. É voz corrente, entre economistas, que a redução da meta neste momento teria um impacto positivo sobre a percepção dos investidores – especialmente os estrangeiros – em relaçãoà economia brasileira..

No entanto, mantê-la em patamar mais alto dá mais folga para… gastos do governo.

Veja também:
mais imagensManuel Tavares pilota jantar em torno de Fernanda Montenegro

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: