Novos tempos, novo olhar

Redação

11 de novembro de 2008 | 08h08

Estão otimistas os advogados dos réus do caso Banco Marka, que será julgado amanhã, no Tribunal Regional Federal do Rio. Quando saiu a primeira sentença do imbróglio, que resultou na prisão de Salvatore Cacciola, “havia uma crítica ideológica ao Proer”, diz Eduardo Muylaert, que defende o então diretor de fiscalização do Banco Central, Cláudio Mauch. Que pegou 10 anos de prisão, mas responde em liberdade.

“O panorama mudou. Hoje é mais clara a importância do BC para evitar crises sistêmicas”, diz Muylaert.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.