Nova ordem mundial

Redação

30 de setembro de 2008 | 08h21

Absoluto caos, o pós-pacote-pré-eleições americanas, ontem: o formato da ajuda de US$ 700 bilhões não agradou. Governos e autoridades monetárias correm atrás do prejuízo pelo mundo, mas, pelo jeito, Nouriel Roubini – o Mr. Doom – tem razão ao afirmar que o mundo planará sobre uma “quase” recessão por, no mínimo, dois anos. “O risco de um pânico sistêmico é maior do que nunca”, escreveu ontem em seu blog.

Em 2002, o mundo viveu forte tranco ante o processo de “limpeza” da “estúpida” alavancagem das empresas americanas, deflagrado pela crise da Enron. Em 2008, estamos assistindo a outra faxina: a do exagero extremo na criatividade de produtos financeiros, resultado da liquidez mundial. Afinal, não existiam ativos suficientes para acomodar tantos recursos livres. E ainda não há.

A equação caminha para um reequilíbrio sofrido.