Norma que autoriza registro de criança com ‘sexo ignorado’ já beneficiou 26 pessoas

Sonia Racy

29 de outubro de 2020 | 00h58

 

Em nove meses de vigência, a normativa estadual que autoriza o registro de crianças como ‘sexo ignorado’ já beneficiou 26 pessoas. Os números foram levantados pela Associação Nacional de Registros de Pessoas Naturais. 

 Ela vale para os Estados de SP, Rio Grande do Sul e Paraná e é direcionada aos chamados bebês intersexos, que, por motivos congênitos, não tem o sexo definido no nascimento.  

Com isso, a aferição do gênero pode ser complementada posteriormente em cartório, sem a necessidade de processo judicial. 

 Online 

 Lula não está saindo para campanha para se proteger da covid-19, segundo dirigentes do partido, mas tem feito política por meio do…telefone. Ele perdeu a sogra, mãe da socióloga Rosângela Silva, ontem, em consequência de complicações da covid-19. 

 Às claras 

 A Abrig – associação responsável por fazer o lobby do… lobby – agendou lives com candidatos à prefeitura de São Paulo. Andrea Matarazzo participou ontem e se posicionou a favor da regulamentação da atividade: “Não é para ficar amarrando, é só para regulamentar.” 

 O vírus e a vida 

 O livro Lupa da Alma: Quarentena-Revelação, de Maria Homem, sai no dia 9 de novembro, pela Todavia. A obra da psicanalista fala do impacto do vírus em diversas esferas da vida: amor, ódio, família, amigos, trabalho, morte.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.