Noite de inspiração

Sonia Racy

09 de abril de 2013 | 01h09

A festa deste ano da amfAR – sexta-feira, na casa de Dinho Diniz – permitiu a arrecadação de US$ 2,3 milhões para financiar pesquisas pela cura da Aids. O evento contou com a participação de Sharon Stone, mestre de cerimônias, e presença de celebridades como Kate Moss – que arrematou foto de Damian Rust por US$ 70 mil.

Já Luiz Pastore comprou garrafa de Moët & Chandon, folheada a ouro, por US$ 50 mil. Mas o maior lance da noite foi pela performance de Fergie, que cantou Big Girls Don’t Cry. Preço? US$ 273 mil.

Para saber mais sobre o evento, a coluna conversou com Kevin Frost, CEO da amfAR.

Entre os países que costumam sediar o evento, por que escolheram o Brasil?

O Brasil tem sido um líder internacional na luta contra o vírus HIV e foi um dos primeiros a oferecer tratamento universal à Aids. Governo e sociedade civil têm trabalhado em conjunto, e nossa instituição vem apoiando programas e organizações no País. Trazer o baile Inspiration Gala para São Paulo parecia ser, apenas, um ajuste natural.

Qual a importância das celebridades no evento?

A amfAR tem tido muita sorte. A presença de celebridades ajuda a levantar nossa voz e deixar nossa mensagem. Nosso trabalho seria muito mais difícil sem elas.

Como andam as pesquisas em prol da cura da Aids?

Estamos vivendo um momento realmente incrível. Recentemente, um cientista financiado pela amfAR relatou o primeiro caso de um filho de pais com Aids que se curou da doença. Estamos confiantes de que vamos achar a cura. Mas sabemos que ainda há muito a ser feito./SOFIA PATSCH

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: