Noite de apoios

Sonia Racy

17 de fevereiro de 2016 | 01h14

Nomes de peso do mundo empresarial, político e jurídico – embora sem direito a voto nas prévias tucanas – prestigiaram Andrea Matarazzo no encontro organizado por Denise e Guilherme Affonso Ferreira, nos Jardins, na noite de anteontem. Escolhido entre os presentes para discursar, o cabo eleitoral do vereador, José Serra, não poupou elogios ao pré-candidato à Prefeitura de São Paulo, listando sua passagem por cargos executivos dos governos Mario Covas e FHC, bem como do próprio Serra, do qual foi subprefeito para a área da Sé. E olhando em volta, o senador comparou: “A qualidade dos presentes é significativa. Olha aí, Miguel Reale e José Carlos Dias nunca me apoiaram…” – uma brincadeira que provocou risos na plateia.

FHC? O ex-presidente gravou um vídeo de apoio, mas não pôde comparecer. E enquanto se dava o encontro, uma equipe do pré-candidato gravou depoimentos de Rubens Barbosa, Celso Lafer, Horácio Lafer e José Olympio da Veiga Pereira.

Se os presentes depositam esperança em Matarazzo, não se pode dizer o mesmo sobre o que pensam do cenário político-econômico nacional. Empresários comentavam que o único alento para os negócios era para aqueles que atuam na exportação, ante a perda de valor do real frente ao dólar.

Na hora de discursar, Matarazzo enfatizou os problemas da periferia de São Paulo, que no ser ver são ainda referentes ao século passado, ressaltando a urgência de melhoras em termos de transportes, saúde, moradia, creches ou educação.

“O que sei é que não dá para apreender no cargo, sendo prefeito. Quem tentou foi o Celso Pitta, o Fernando Haddad, e deu no que deu”. Em seguida, lembrou de colocar nesse mesmo balaio… a presidente Dilma. \MARINA GAMA CUBAS

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.