No sangue

Sonia Racy

30 de maio de 2014 | 01h02

Parte do discurso de Dilma agradou a comunidade israelita – reunida, anteontem, na casa de Claudio Lottenberg. Foi quando declarou ter, entre suas raízes, os cristãos-novos – por parte de mãe. “E minha avó era a casa da Golda Meir.”

Risadas gerais.

Sangue 2

A presidente salientou ainda que estavam ali muitos rostos familiares. Entre eles, o de Roberto Bielawski, hoje dono das redes Viena e Ráscal. “Eram tempos duros e difíceis, aqueles”, lembrou Dilma.

Sangue 3

Já sua reação à pergunta de conhecido empresário de comunicação não agradou. O moço sugeriu aparição, em rede de TV, da presidente, de Lula e FHC, juntos, fazendo apelo à nação a favor da paz durante a Copa.

Dilma ponderou que a mídia ajudaria mais se diminuísse o espaço dos manifestantes – “às vezes, 30 gatos pingados” – e dessa ênfase “as obras do governo federal”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: