No Panamá, Dallagnol dedica prêmio da Lava Jato aos ‘impotentes contra a corrupção’

Sonia Racy

03 Dezembro 2016 | 18h14

No discurso de agradecimento que fez no final desta manhã na Cidade do Panamá, ao receber o Prêmio Anticorrupção 2016 dado pela ONG Transparência Internacional à Operação Lava Jato, o procurador Deltan Dallagnol dedicou-o “a cada cidadão brasileiro que se sentiu ou se sente impotente contra a corrupção.”

Foi uma fala em inglês, dividida em cinco itens, na qual destacou que a escolha “é mais um sinal de que a comunidade internacional tem reconhecido a legitimidade das investigações”. Ele historiou os avanços das investigações no Brasil e destacou a recuperação de mais de R$ 6 bilhões para os cofres públicos.

No final, o procurador paranaense pediu licença para falar em português. E afirmou: “Nós dedicamos este prêmio para cada cidadão brasileiro que se sentiu ou se sente impotente contra a corrupção. Nós queremos dizer a você que o único poder que a Lava Jato tem contra o uso ilegítimo do poder por corruptos é a alta voz da sociedade. Vocês, o povo, são a nossa força. Seus atos nos confortam quando nós sentimos que o teto está caindo sobre nossas cabeças. Essa é a razão pela qual nós não fomos ainda derrotados. Nós contamos com isso para continuar trabalhando até onde a sociedade nos proteger e nos levar.”