No contra-fluxo

Redação

05 de setembro de 2008 | 13h44

Seminário das Nações Unidas na cidade de Acra, em Gana, discutiu como incluir o carbono das florestas em 2012. O Brasil? Posicionou-se contra os mecanismos de mercado, preferindo uma posição estatizante, dependente de doações país a país.

Virgilio Viana, da Fundação Amazonas Sustentável – que estava lá – estranhou. “É pouco inteligente o maior detentor de florestas no mundo, e provável beneficiário dos mecanismos de mercado, não apostar nisto.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.