No Conselho de Ética, a hora e a vez de… Bolsonaro

Sonia Racy

27 de junho de 2016 | 11h42

Depois de Eduardo Cunha, cujo caso entra agora em nova fase, chega a vez de Jair Bolsonaro. Essa foi a previsão feita, agora de manhã, no Conselho de Ética da Câmara. Amanhã cedo o grupo se reúne, sob presidência de José Carlos Araújo, para avaliar – e, provavelmente, aceitar – um pedido do PV e instaurar um processo contra o deputado do Rio.

O entendimento doninante, na Câmara, é que ele quebrou o decoro parlamentar ao elogiar a tortura e defender o coronel Brilhante Ustra em seu discurso ao votar contra Dilma na sessão do impeachment.Uma vez aberto o processo, Araújo indica um relator – que deve sair do PT ou do bloco PSDB-DEM-PPS — e este terá dez dias para apresentar um parecer sobre o assunto.

Para quem não se lembra: Bolsonaro já teve um processo semelhante aceito, no apagar das luzes de 2014, e que não foi desarquivado quando os trabalhos foram reiniciados no ano seguinte. E outro processo aguarda decisão no STF, por ofensas à deputada Maria do Rosário.

 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.