No ar

Sonia Racy

15 de setembro de 2015 | 00h39

Quem também está lucrando na crise é a empresa que fabrica os infláveis Pixuleco. São tantas encomendas dos bonecos – tamanhos 30cm e 50 cm –, que ela não está mais aceitando pedidos.