No ar

Sonia Racy

05 de julho de 2013 | 01h01

O Comando da Aeronáutica não tem como questionar autoridades que usam aeronaves da FAB, como nos casos de Renan Calheirose Henrique Eduardo Alves. Decreto de 2002 determina que os voos estão permitidos em três situações: “Segurança e emergência médica, viagens a serviço e deslocamentos para o local de residência”.

Quando faz a solicitação, a autoridade preenche requerimento com a justificativa. Se é uma das permitidas, o piloto da FAB cumpre a ordem. “Nossa missão é só técnica”, diz fonte da Aeronáutica.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.