No apoio ao Rio, Temer que incluir combate à violência

No apoio ao Rio, Temer que incluir combate à violência

Sonia Racy

20 de julho de 2017 | 01h00

BNDES

BNDES. FOTO: PAULO VITOR/ESTADÃO

Além de o BNDES comprar a CEDAE por R$ 3 bilhões, como contrapartida de empréstimo do governo federal, Michel Temer pretende anunciar hoje, em Brasília, ao lado do governador interino do Rio, Francisco Dornelles, e do general-ministro Sergio Etchegoyen, ajuda concreta para combater a insegurança no Estado.

O presidente quer que o ato traga efeitos positivos tanto para o Rio como para ele.

SOS Rio

No entanto, causou certo mal-estar no BNDES a determinação do presidente de adquirir a empresa de águas carioca – que será preparada para privatização.

Primeiro, porque essa operação não será fácil. Pelo caminho devem surgir greves de funcionários e eventuais denúncias de caixas pretas. Segundo, porque… não é usual. Será a segunda vez que o banco compra uma empresa.

SOS Rio 2

“A última foi nos anos 70, quando o BNDES foi obrigado a adquirir empresas têxteis como Dona Rosa e Dona Isabel (que acabaram fechando) e a Cia. Carioca de Sabão e Caraíba Metais, vendidas depois com prejuízo”, explica fonte credenciada. O fato é que o Rio precisa urgente de ajuda e parece não haver muitas opções.

Na TV

José Carlos Grubisich, da Eldorado, é um dos interessados na compra do Canal Rural, que é do grupo J&F.

 

Com o ídolo

Sergio Moro não só palestrou no Estoril, em Portugal, em maio, como teve sua imagem aproveitada para “vender” o evento. Saiu em painéis de metrô ao lado de Antonio di Pietro, o “Moro” da Operação Mãos Limpas, na Itália.

Procura-se

A busca de nova área para a Ceagesp reuniu, no início do mês, Prefeitura, Estado e Ministério da Agricultura. Os três assinaram compromisso para encontrar uma área alternativa. E incluíram no pacote a instalação de um polo tecnológico no local do entreposto atual, na Vila Leopoldina.