Neymar es nuestro

Sonia Racy

24 de novembro de 2011 | 06h00

Neymar não foi para o Real Madrid, mas são espanhóis que estão garantindo sua permanência no Santos.

Na sua estratégia de aproximar o banco, cada vez mais, do Brasil, D. Emilio Botín aprovou. Anuncia hoje que Neymar é do Santander. O presidente mundial de um dos maiores bancos do mundo chegou a São Paulo ontem, vindo de Brasília. Lá, no fim da tarde de terça-feira, foi recebido por Dilma e Alexandre Tombini, do BC, que não são santistas, mas gostaram de saber do patrocínio.

Durante o encontro, além de versar sobre a crise na Europa, o banqueiro reafirmou sua total confiança no Brasil. E fez questão de explicar o modelo de governança do Grupo. A instituição trabalha com subsidiárias e não por meio de filiais. Isso permite, segundo Botín, um modelo de negócios diversificado e menos vulnerável. A grande diferença estaria na independência de cada unidade espalhada pelo planeta.

Consta que ambos os brasileiros gostaram do que ouviram.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: