Não estamos sós

Sonia Racy

27 de fevereiro de 2016 | 01h59

Antes de chegar à China, Alexandre Tombini topou com um conhecido presidente de banco central europeu no voo Paris-Xangai. “Lembra que te disse que o Brasil estava muito ruim em nosso último encontro, em dezembro, no Rio de Janeiro? Pois bem, agora estamos todos”, lamentou o executivo.

A conversa ilustra o clima instalado na reunião do G-20, onde as palavras chaves nas discussões tem sido “preocupação” e “incerteza”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.