Não e não

Sonia Racy

14 de outubro de 2010 | 23h09

Não há dívidas do primeiro turno, segundo José Henrique Reis Lobo. “Os orçamentos e pagamentos de despesas foram feitos prevendo dois turnos. E a eleição não terminou”, ponderou ontem.

O coordenador da campanha de Serra avisa que só se poderá falar em dívida se, ao final do segundo turno, a arrecadação não cobrir os compromissos nos prazos combinados.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: