Na TV, PSD diz não fazer ‘oposição pela oposição’

Sonia Racy

13 de março de 2013 | 17h09

“O PSD é um partido a favor do Brasil.” É assim que o PSD se apresentará em rede nacional de televisão na noite desta quinta-feira. No programa de apenas cinco minutos, um jovem narrador dirá que o partido de Gilberto Kassab “não faz oposição pela oposição e que o PSD está ao lado de quem trabalha, de quem produz”.

A legenda, segundo o programa, nasceu como “uma organização política diferente, nova” e que “no lugar de reclamar” trará “soluções reais para os problemas reais do País”. O narrador diz ainda que “muita gente torceu contra” o surgimento do PSD e que, apesar de “notícias falsas e denúncias vazias”, o Tribunal Superior Eleitoral “fez a verdade prevalecer” quando, em setembro de 2011, concedeu o registro do partido.

O programa contará com a participação de Otto Alencar, vice-governador da Bahia.  “Temos muito orgulho de termos sido o primeiro estado do País a apoiar esse movimento. E esse gesto é simbólico e muito importante para o PSD, já que foi aqui na Bahia que nasceu o Brasil. O PSD quer construir um novo Brasil para todos os brasileiros”, afirmará.

O PSD dirá que já nasceu como o terceiro maior partido do País e ressaltará o resultado das eleições 2012, quando elegeu 498 prefeitos. O programa também destacará a relação da sigla com os sindicalistas, especialmente com a UGT, a União Geral dos Trabalhadores, “uma das maiores centrais sindicais do País”.

Os minutos finais serão dedicados à apresentação das propostas. Entre elas, o incentivo às PPPs e o endurecimento nas leis. “Penas mais duras para crimes hediondos e penas alternativas para delitos menores. Só assim o Brasil vai vencer a batalha contra a violência”, dirá o narrador.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: