Na parede

Direto da Fonte

24 de fevereiro de 2015 | 01h11

Depois de receber do juiz Sergio Moro, da Operação Lava Jato, um presentão inesperado – 68 obras de arte apreendidas nas casas dos envolvidos nas denúncias – o Museu Oscar Niemeyer, de Curitiba, aguarda a decisão da Justiça para saber se ficará com elas em definitivo.

O pacote, avaliado em milhões, inclui nomes como Dali, Di Cavalcanti, Iberê Camargo, Amilcar de Castro, Sergio Ferro, Cícero Dias e Vik Muniz. Parte está em exposição e outra ainda em quarentena, no acervo do museu.

Parede 2

Segundo o Instituto Brasileiro de Museus, nada poderá ser feito antes que termine o processo e se definam eventuais condenações judiciais dos donos das obras. Daí por diante, o juiz pode autorizar a venda judicial das que estiverem “disponíveis”. Quando isso ocorrer, o Ibram terá condições legais de atuar para que os museus públicos tenham preferência na compra.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.