Na gaveta

Sonia Racy

21 Janeiro 2015 | 01h10

A CNI está preocupada com a paradeira, na Casa Civil e no Congresso, de acordos comerciais já assinados pelo Mercosul. Entre eles, o da União Aduaneira da África Austral – que tem potencial de dobrar as exportações brasileiras para a região, hoje em torno de US$ 2 bilhões.

Problema? Segundo Carlos Abijaoidi, diretor da entidade, Aloizio Mercadante não despacha o documento à sanção de Dilma. “Só falta a assinatura da presidente”, avisa.

Na gaveta 2

Outro acordo decisivo que patina em comissões do Congresso – entre Mercosul e Egito – derruba tarifas de importação de até 90%, beneficiando os setores automotivo, de autopeças, açúcar e café.

Para a CNI, estes dois tratados já transformariam o atual déficit da balança comercial em superávit.