Na contramão

Sonia Racy

10 de janeiro de 2011 | 23h11

A nova Lei da Filantropia, que redefine o peso de procedimentos hospitalares para que instituições sejam consideradas filantrópicas, tem recebido críticas de peso.

Ricardo Brentani, presidente do Conselho da Fapesp e diretor do hospital A.C. Camargo, é um dos que a questionam. Ele diz que a nova lei, regulamentada no apagar das luzes do governo Lula, “privilegia a internação e despreza o tratamento ambulatorial, gerando custos muito maiores ao sistema”.

Assim, segundo ele, a quimio e a radioterapia passam a valer quase nada no cálculo do volume de atendimentos feitos para o SUS. “É um bom caminho para a desorganização do atendimento de pacientes com câncer”, explica.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.