Na carne

Sonia Racy

02 de julho de 2013 | 01h06

Frente à impossibilidade de honrar as dívidas de mais de R$ 100 milhões com o BB, a família Bertin passou a alegar que parte das cotas do fundo Bertin-FIP, dadas em garantia, haviam sido desviadas indevidamente para outra empresa. Como? As assinaturas do contrato de cessão teriam sido falsificadas.

A Blessed Holdings – empresa para a qual foi feita a transferência – contratou quatro peritos em grafodocumentoscospia: os profissionais atestaram que são verdadeiras.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.