Multiplicação

Sonia Racy

16 Outubro 2015 | 00h40

Dentro da cooperação entre os Ministérios Públicos brasileiro e da Suíça, consta que Rodrigo Janot, procurador-geral da República, teria enviado às autoridades suíças, na busca de contas em bancos por lá, 120 nomes envolvidos na Operação Lava Jato.

De volta, o procurador teria recebido nada menos que uma lista com mais de 2.000 nomes de empresas e pessoas. Por que a multiplicação? É que no material suíço está incluído, também, quem participou da movimentação financeira mas não é, necessariamente, parte de esquema ilegal.

Exemplo: a academia de tênis do treinador Nick Bolletieri, na Flórida, paga por Cláudia Cruz, mulher de Eduardo Cunha. 

Procurada, a PGR não confirma as informações.