MST, o africano

Redação

07 de novembro de 2009 | 06h40

Enquanto Madonna desembarca segunda no Brasil em missão humanitária, procurando recursos para a sua ONG Raising Malawi, a escola para meninas que a artista começou a construir na África está paralisada.

Por quem? Por cerca de 140 habitantes de uma aldeia perto da capital, Lilongue, onde o governo desapropriou terras para que a ONG de Madonna levantasse a escola. Os malawianos acham que foram enganados e querem mais dinheiro pelas terras, que foram arrendadas por 99 anos.

O que fez o governo local? Tomou as dores de Madonna e está ameaçando de prisão quem não sair da área.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.