MP encerra acordos com bancos usados por Maluf para desviar recursos

MP encerra acordos com bancos usados por Maluf para desviar recursos

Sonia Racy

02 de novembro de 2017 | 01h00

PAULO MALUF

PAULO MALUF. FOTO: DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Terminou ontem a última etapa dos processos do Ministério Publico Estadual para sacramentar compensações acordadas com quatro bancos estrangeiros à favor da Prefeitura.

As instituições, segundo o MP, foram utilizadas por Paulo Maluf para desviar recursos na época em que deputado foi prefeito pela ultima vez, em 1993.

Bancos poderiam
ser acusados

Deutsche Bank, Citi, UBS e agora o Safra de Nova York aceitaram pagar as indenizações em troca da garantia de que não serão alvo de ações judiciais. Os bancos poderiam ser acusados de negligência.

Nenhum
foi indiciado

As indenizações somam US$ 55 milhões. O Deutsche pagou US$ 20 milhões na gestão Haddad.  Citi e UBS foram penalizados, na mesma gestão, em US$ 25 milhões e ontem o Safra Nova York pagou US$ 10 milhões para a gestão Doria. Os recursos têm sido destinados para a criação de creches e do Parque Augusta, entre outros projetos.

Como foram feitos os acordos? Por meio de Termo de Ajuste de Conduta (TAC). Nenhum dos bancos chegou a ser indiciado.

Leia mais notas da coluna:

+ Prefeitura soma R$ 4,7 bi em pedidos de programa de parcelamento

+ FHC almoça com Luciano Huck em São Paulo

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: